Translate

Pesquisar

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Polícia e prefeitura põem ordem na casa


Cidade 

Polícia e prefeitura põem ordem na casaPublicada: 07/07/2011 01:44| Atualizada: 07/07/2011 01:15
Silvana Blesa

Visando combater  tráfico de drogas, roubos, furtos e incluir pessoas que estão à margem da sociedade, com tratamento médico e retirada dos moradores de rua e usuários de drogas, foi desencadeada uma operação conjunta entre a Secretaria da Segurança  Pública do Estado (SSP) e a Prefeitura de Salvador, realizada na madrugada de ontem. A princípio, os 44 agentes, entre civis e militares, percorreram a Pituba, a Praça da Piedade, o Rio Vermelho e o Centro Histórico, que lideram no ranking de mais necessitados.
ação dos agentes faz parte da primeira “Operação Ordem na Casa”, incluso no programa Pacto pela Vida, criado pelo governo no mês passado. De imediato, 355 abordagens foram realizadas em veículos, ônibus, transeuntes, estabelecimentos comerciais e pontos de ônibus. Um homem portava drogas, um outro era fugitivo da polícia e algumas pessoas estavam em situação de risco, precisando de assistência médica e tratamento.
Em meio a toda essa situação, os agentes acabaram encontrando Carlos Alberto de Jesus, 28 anos, que sofre de epilepsia, doença mental, e estava com febre, causada por infecção respiratória. Na casa dele, invadida na Rua do Gravatá, no bairro de Baixa dos Sapateiro, o pai e dois irmãos também necessitam de ajuda.
Carlos dos Santos, 59 anos, pai de Carlos, ficou aliviado com a chegada dos agentes para ajudar o filho que sofria e a família não tinha como custear os exames e nem os remédios controlados que o rapaz precisa tomar diariamente. No local, os policiais também descobriram que outro casal que reside no mesmo imóvel invadido é portador do vírus do HIV e também sofre de tuberculose.
De imediato, Carlos foi recolhido pelos agentes do Samu e levado para tratamento médico, além de ter sido cadastrado para receber todo o tratamento necessário para as doenças. O casal também receberá tratamento e atenção dos órgãos competentes.
Comerciantes – O major da Polícia Militar, Arnaldo Neto, que faz parte da Superintendência de Gestão Integrada da SSP, revelou que a ação foi desencadeada após o recebimento de relatórios da Coordenação de Missões Especiais da Superintendência de Inteligência e do Serviço de Informações da Polícia Civil.
“Após a identificação de diversas ocorrências nestas regiões, o secretário avaliou que o problema vai além da Segurança Pública. É um problema social. Por isso, convocou todos os órgãos envolvidos”, afirmou Arnaldo. Ele lembrou que este é o objetivo do programa Pacto pela Vida.
A operação foi aplaudida pelos comerciantes e moradores do Centro Histórico e Praça da Piedade, que convivem diariamente com pessoas em situação de risco, além de traficantes e usuários, que perambulam pelas ruas sem se intimidarem com o vai e vem das pessoas. O comerciante Edson Carneiro, que há 12 anos mantém um pequeno bar e restaurante na Rua do Gravatá, relatou que nos últimos tempos o movimento tem caído por causa dos traficantes e usuários na região.
Na operação, além das policias Civil e Militar, houve a participação do Departamento de Polícia Técnica, das secretarias municipais de Serviços Públicos (Sesp), Trabalho e Ação Social (Setad), Saúde (SMS), a Limpurb e a Guarda Municipal. As equipes se dividiram em quatro e percorreram os locais onde havia maior incidência de pessoas.

Detidos em flagrante

A polícia montou cerco e realizou abordagens com o uso de rádios móveis, podendo acessar os sistemas de dados da Infoseg e portal da polícia, para averiguar mandados de prisão em aberto ou qualquer outro tipo de delito ou infração cometido por determinada pessoa abordada. Durante a revista, duas pessoas foram presas em flagrante. José Deijaci Nascimento de Jesus portava 19 pedras de crack, embaladas para venda, e foi detido em flagrante no Gravatá. Com ele foi apreendido um rádio portátil e uma pequena quantia em dinheiro.
Ainda na região do Pelourinho, a polícia capturou Leandro Silva de Lima, fugitivo da 1ª Delegacia Territorial (Barris). O tenente-coronel José Roberto Miranda, do Comando de Operações Policiais Militares, explicou que a função das polícias na operação é oferecer segurança para que os representantes dos demais órgãos possam atuar.
Para a subsecretária de Saúde do município, Tatiana Paraíso, o trabalho em conjunto entre governo do estado e município é fundamental para identificar essas pessoas que necessitam de ajuda e dar um tratamento diferenciado. “Vamos participar dando suporte e assistência e também identificar as necessidades para fazer a inclusão destas pessoas”. A operação deve continuar em outros bairros que também sofrem com as mesmas deficiências.
Publicada: 07/07/2011 01:44| Atualizada: 07/07/2011 01:15 

Nenhum comentário:

Postar um comentário