Translate

Pesquisar

quinta-feira, 21 de julho de 2011

‘SE HOUVE IRREGULARIDADE NA SAÚDE, JH SABIA’ 2


http://www.bahianoticias.com.br/noticias/noticia/2011/07/21/97860,%E2%80%98se-houve-irregularidade-na-saude-jh-sabia%E2%80%99-ii.html


‘SE HOUVE IRREGULARIDADE NA SAÚDE, JH SABIA’ II

00:00:49
imprimir

Segundo o deputado Nelson Pelegrino, o único fato contestado na administração de Luiz Eugênio Portela na Secretaria Municipal de Saúde é um contrato firmado entre a pasta e a Real Sociedade Espanhola. O convênio teria sido herdado da era Antonio Imbassahy, hoje seu colega de Congresso pelo PSDB. “O que tem, que é atribuído a Eugênio, é uma coisa que vem da gestão de Aldely Rocha e de Imbassahy, que é o contrato da dengue que Eugênio tentou renegociar o contrato da dengue e não conseguiu”, amparou. O parlamentar defende que, caso haja Comissão Especial de Inquérito, ela não seja focada no período em que a SMS era gerida pelo PT. “Eu tenho dito aos nossos vereadores: ‘não temam CPI’. Agora, se querem investigar a Saúde, vamos investigar da gestão de Imbassahy, vamos inclusive investigar as gestões que sucederam Luiz Eugênio, até os dias de hoje. Vamos investigar tudo. Não tem nenhum problema. O problema de Neylton, na minha opinião, é um problema de, infelizmente, pouca competência que a polícia teve. Encontrou dois supostos executores e não conseguiu desvendar”, opinou, em relação às prisões dos vigilantes Josemar dos Santos e Jair Barbosa da Conceição. Eles teriam sido contratados pela ex-subsecretária, Aglaé Amaral Sousa, e pela consultora Tânia Maria Pimentel Pedrosa, que foram excluídas do processo. Ao refutar que o caso Neylton tenha vinculação com questões partidárias ou que a gestão de Portela abrigasse ilicitudes, o deputado disparou: “Tudo o que Luiz Eugênio fez foi com o conhecimento do prefeito João Henrique, com a assinatura do prefeito João Henrique. A Bahia quer, exige, que esse caso seja devidamente esclarecido”.  Apesar de já ter as rubricas necessárias, a CEI ainda não foi protocolada no Legislativo e a própria liderança do governo, que foi orientada por JH a acatar a instalação, já diz que a averiguação na SMS é “desnecessária”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário