Translate

Pesquisar

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Desembargador Federal do TRF-1 é afastado preventivamente pelo STJ por suspeita de corrupção e formação de quadrilha

* TRF-1 = Tribunal Regional Federal da 1ª Região que se localiza em Brasília e julga como imediata instância superior (2ª instância) os recursos de processos judiciais provenientes da Justiça Federal dos seguintes estados: Amazonas, Acre, Roraima, Rondônia, Amapá, Pará, Goiás, Tocantins, Mato Grosso, Piauí, Maranhão, Bahia, Minas Gerais, além do próprio Distrito Federal.


http://www.conjur.com.br/2011-dez-07/stj-aceita-denuncias-afasta-desembargador-trf-suspeito-corrupao

7dezembro2011
CORRUPÇÃO PASSIVA

Suspeito de corrupção, desembargador do TRF-1 é afastado

O desembargador Francisco de Assis Betti, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, foi afastado nesta quarta-feira por suposta prática dos crimes de corrupção passiva, formação de quadrilha e exploração de prestígio de forma continuada.
O afastamento  foi decidido pela Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça, que recebeu denúncia criminal oferecida contra o desembargador. Ele está afastado até o término da instrução da ação penal.
O Ministério Público Federal acusa Betti, a desembargadora Elisângela Maria Catão Alves, também do TRF-1, e outras cinco pessoas de montarem um esquema de liberações de mercadorias apreendidas pela Receita Federal e de venda de decisões para a liberação indevida do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) a prefeituras mineiras em débito com o INSS. À época da denúncia (2008), Betti e Alves eram juízes federais.
Para o relator do caso, ministro Castro Meira, as provas colhidas durante a fase preliminar da instrução criminal "permitem concluir que existem indícios suficientes de que o desembargador aceitou vantagem indevida em razão da função judicante, incorrendo no crime de corrupção passiva".
Meira afirma ainda que “há prova indiciária de que o magistrado solicitou dinheiro e utilidade para influir em decisão do Tribunal Regional Eleitoral e para acelerar o processamento de recurso interposto, o que configuraria o delito de exploração de prestígio”.
O julgamento da desembargadora Alves, acusada de prevaricação, corrupção passiva e formação de quadrilha, foi interrompido pelo pedido de vista do ministro Herman Benjamin. A denúncia contra ela foi rejeitada pelo relator e outros seis ministros. A única que divergiu parcialmente até agora foi a ministra Maria Thereza de Assis Moura, que recebeu a denúncia quanto ao delito de corrupção passiva.
 Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.
Revista Consultor Jurídico, 7 de dezembro de 2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário