Translate

Pesquisar

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Milicias fazem matança em Salvador, segundo a polícia





Sábado, 11 de Fevereiro de 2012 - 07:45

Milícia faz matança em Salvador, diz polícia

A greve de PMs na Bahia abriu terreno para milícias praticarem uma matança na periferia de Salvador, informa reportagem publicada na edição da Folha de São Paulo deste sábado (11). Os alvos são usuários de drogas, moradores de rua e desafetos dos grupos armados que detêm o controle, de fato, de áreas mais violentas. As milícias baianas são grupos paramilitares bancados por comerciantes para manter a ordem na periferia. A inteligência da Polícia Civil já detectou que os grupos operam sob proteção de policiais em áreas como Subúrbio Ferroviário, aglomerado de bairros e favelas vizinho à baía de Todos os Santos. "Esses grupos estão se aproveitando da greve, que reduziu o policiamento, para 'limpar' a área e matar quem estava incomodando", disse à Folha o diretor do Departamento de Homicídios e Proteção a Pessoa, Arthur Gallas. Segundo ele, há evidências de que milicianos e traficantes de drogas tenham assassinado pelo menos 38 pessoas desde o início da greve da PM, no dia 31 de janeiro. Até ontem, foram 157 homicídios em Salvador e na região metropolitana.

11/02/2012 - 06h30

Milícia faz matança em Salvador, diz polícia

PUBLICIDADE
DE SÃO PAULO
A greve de PMs na Bahia abriu terreno para milícias praticarem uma matança na periferia de Salvador, informa reportagem deGraciliano RochaRogério Pagnan e Fábio Guibu, publicada na Folha deste sábado (a íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).
Os alvos são usuários de drogas, moradores de rua e desafetos dos grupos armados que detêm o controle, de fato, de áreas mais violentas.
As milícias baianas são grupos paramilitares bancados por comerciantes para manter a ordem na periferia.
A inteligência da Polícia Civil já detectou que os grupos operam sob proteção de policiais em áreas como Subúrbio Ferroviário, aglomerado de bairros e favelas vizinho à baía de Todos os Santos.
"Esses grupos estão se aproveitando da greve, que reduziu o policiamento, para 'limpar' a área e matar quem estava incomodando", disse à Folha o diretor do Departamento de Homicídios e Proteção a Pessoa, Arthur Gallas.
Segundo ele, há evidências de que milicianos e traficantes de drogas tenham assassinado pelo menos 38 pessoas desde o início da greve da PM, no dia 31 de janeiro.
Até ontem, foram 157 homicídios em Salvador e na região metropolitana.
Leia a reportagem completa na Folha deste sábado, que já está nas bancas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário