Translate

Pesquisar

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Presidente do Olodum critica racismo no carnaval e diz que Bahia é terra de uma artista só


Presidente do Olodum critica racismo no carnaval e diz que Bahia é terra de uma artista só
Em entrevista à Folha de S. Paulo o presidente do Olodum, João Jorge Rodrigues, afirma que no carnaval da Bahia os recursos são divididos de forma desigual. Segundo ele, a Bahia é terra de uma artista só: Ivete Sangalo. João credita a força da cantora e de Cláudia Leite ao fato de serem brancas e portanto monopolizarem o mercado da publicidade e de shows. Na opinião do líder do bloco afro, o carnaval de todo o Brasil é discriminatório, porque esse é o caráter do país. “Você passa 359 dias no ano praticando toda forma de violência institucional, de racismo institucional, e você quer que em seis dias o Carnaval seja democrático?”, diz ele na entrevista. João argumenta que na Bahia o segrgacionismo é ainda pior porque o circuito de Salvador é o que angaria mais patrocínio e visibilidade e, no entanto, há blocos com cordas separando quem pode pagar do povo. O líder também coloca que a vinda de artistas como Psy para a folia baiana é a mostra de que a Bahia não valoriza seus artistas, a sua negritude. Quando perguntado sobre o caráter popular da festa momesca João é enfático. "Nunca, ainda não é e talvez não seja. É uma festa de multidões, mas que tem uma repressão muito grande sobre tudo. O Carnaval é extremamente limitado, onde se desfila, se bate foto, é preciso pagar taxas. Qual prefeito ou governador vai dizer: "A gente banca o Carnaval, dá segurança, saúde, infraestrutura, gasta R$ 84 milhões, e todos terão de cumprir a seguinte diretriz: será um desfile alternativo, com um bloco afro, depois um afoxé e um bloco de trio. Um bloco travestido e um trio independente. Em horários que todos possam aparecer na TV". Quero ver qual autoridade da Bahia vai fazer isso", resumiu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário